Thursday, December 02, 2010

RIBEIRO VERSUS MACEDO

Os suspeitos, Abílio Nova e António Pedro Ribeiro foram, este mês, constituídos arguidos com termo de identidade e residência, no seguimento do despacho de 25 de Outubro passado, emitido pelo juiz de instrução criminal Pedro Miguel Vieira, do Tribunal Judicial da Póvoa de Varzim a que este jornal teve acesso.

O blogue povoaonline, que actuou sempre sob anonimato, foi entre os anos de 2005 e 2008, um difusor de informações e textos, no qual eram de forma sarcástica, caricaturados políticos, jornalistas, presidentes de instituições, associações e figuras públicas da sociedade poveira.

Em 2008, e por determinação do tribunal, o blogue foi encerrado após queixa judicial contra o mesmo, por parte do presidente da câmara, Macedo Vieira e do vice-presidente, Aires Pereira. No entanto, o blogue foi substituído por um novo - povoaoffline - que mereceu igual destino por ordem do tribunal.
Na altura, o encerramento do povoaonline conseguiu um enorme destaque na imprensa nacional, sendo referenciado como um contrapoder à autarquia local.


A determinação pelo tribunal da Póvoa, da constituição de arguidos enquanto suspeitos no processo, de Abílio Nova e António Pedro Ribeiro confirmou-se agora, após muitas dúvidas existentes na cidade, de quem actuaria desta forma e na Internet sob o anonimato.



O que foi escrito

Um tribunal ordenou o encerramento do blogue http://povoaonline.blogspot.com . Entretanto os mesmos autores criaram o blogue http://povoaoffline.blogspot.com .

Que poderá fazer a justiça?

Pela primeira vez em Portugal um blogue foi suspenso na sequência de uma decisão de um tribunal. O blogue Póvoa Online era acusado pelo presidente e vice-presidente da Câmara da Póvoa do Varzim, Macedo Vieira e Aires Pereira, de os difamar.

Segundo a edição de hoje do jornal "Público", a Ordem das Varas Cíveis de Lisboa emitida a 13 de Maio determinava que a Google tinha de impedir de imediato o acesso ao blogue, o que só ocorreu na sexta-feira.

A decisão do tribunal foi colocada na Internet no dia seguinte, no novo site Póvoa Offline, por Tony Vieira, pseudónimo do autor ou autores do blogue.

O Póvoa Online, que existia desde 2005, considerava que "Actualmente (a Póvoa de Varzim) apenas oferece lixo, areia da praia contaminada e um mar poluído, tudo supervisionado por autarcas agarrados ao poder e sustentados por uma teia de corrupção que corrói toda a gestão municipal. Vingou a lei do cimento".

O tribunal considerou que "a maior parte do conteúdo do blogue" consistia em "artigos de opinião" e que os autores criticavam Macedo Vieira e Aires Pereira, não apenas como presidente e vice-presidente da Câmara, mas também como "cidadãos, pais, familiares e amigos".

A sentença considerou também que diversos textos do Póvoa Online não eram feitos como "uma critica construtiva, baseada em factos provados, concretos e objectivos, mas com o objectivo de difundir, junto do público, de forma gratuita, a ideia de que os requerente são corruptos e corruptíveis".

2 comments:

Claudia Sousa Dias said...

Não sei, não os textos do "póvoa on", mas pelo pouco que ouvi - citações do blogue - acerca do que foi escrito,penso que opinião todos poderemos dar, indepedentemente de desagradar a alguém ou não. É diferente é se dizemos que alguém comete um crime e esse crime não existe...

Mas também eu posso limpar o meu quarto e a minha mãe achar que não está suficientemente limpo, porque eu não passei um pincel fino nos socos e nos cantos por detrás das pernas do guarda vestidos, ou nas teclas do computador e a seguir comentar com as minhas tias que eu não tenho emenda e que sou uma badalhoca... Os parâmetros são diferentes consoante a fasquia que a pessoa coloca ou a sensibilidade de cada um...

apedroribeiro said...

de qualquer forma, eu não sou o autor do blogue. Mas já que me fazem propaganda, eu agradeço...